boobox

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

42 toneladas de veneno de rato serão lançadas por helicóptero em ilha


A prefeitura de uma ilha paradisíaca na Austrália anunciou um plano ousado para tentar acabar com uma praga de ratos: o de lançar 42 toneladas de veneno de helicóptero sobre a ilha. Segundo o prefeito Stephen Willi, o plano é radical mas "não há outra solução para eliminar os ratos de uma vez por todas", disse ele a TV Sky News. "Esse é um dos lugares mais bonitos do mundo, por isso precisamos de um plano detalhado e de resultado", disse. A ilha Lord Howe, a 800 quilômetros da costa de Sydney, está na lista de Patrimônios da Humanidade da Unesco. Os helicópteros lançarão iscas com veneno sobre as áreas não habitadas e nas habitadas, as iscas serão espalhadas manualmente. Antes do lançamento de veneno, pássaros nativos serão enjaulados, animais de estimação, como cachorros e gatos, usarão proteção e vacas e galinhas serão transportadas para fora da ilha por um período de cem dias, quando o veneno perderá seu efeito. Além disso, crianças terão que ser supervisionadas de perto pelos pais. A ilha de Lord Howe, de 57 quilômetros quadrados, possui 350 residentes permanentes, e está tão isolada do restante da Austrália que algumas espécies nativas não são encontradas em nenhum outro local. Dois terços da área são protegidos e o mar que a rodeia é uma reserva marinha. Acredita-se que os ratos chegaram à ilha num barco em 1918. De lá pra cá a população se multiplicou e exterminou cinco espécies de aves, segundo informações da WWF Austrália que ainda disse que os ratos são uma das maiores ameaças à vida selvagem da ilha. Projetos similares de erradicação de roedores já foram implantados antes em locais inabitados, mas esta é a primeira vez que será feito em local com volume de população humana significativo. A operação está marcada para agosto de 2012 e em duas etapas separadas por um período de duas semanas.
Fonte:http://blogdomrcondes.blogspot.com/2010/02/42-toneladas-de-veneno-de-rato-serao.html

Nenhum comentário: