boobox

sexta-feira, 6 de março de 2009

Suraya, a menina que se nega a crescer


Atlanta Ruzman, uma mãe que vive no Reino Unido, sabia que algo em sua gravidez não ia bem quando no sétimo mês de gravidez a proeminência de sua barriga era quase imperceptível e seu bebê não dava os típicos chutes dentro de sua barriga. Assustada, pediu o conselho da mãe que lhe disse que tudo estava bem, que aquilo era devido a que ela também era uma mulher de pequena estatura.
Ruzman, de 24 anos, não se tranquilizou com a explicação da mãe e procurou o hospital onde lhe confirmaram que o crescimento do bebê era anormalmente pequeno e acreditaram que ele pudesse estar recebendo pouco alimento. Decidiram provocar o parto com 36 semanas e quatro dias.
Desta forma chegou ao mundo Suraya Brown com pouco mais de um quilo de peso. Desde então decorreram 14 meses e ainda hoje os médicos continuam estranhados o caso de Suraya o qual denominaram "a menina que se nega a crescer".
Com mais de um ano de idade, a menina pesa agora 3,5 quilos, o normal para uma criança recém nascida.
Desde seu nascimento, Suraya foi submetida a dezenas de provas médicas. Radiografias ósseas revelaram anormalidades, e inclusive uma prova genética para uma rara doença de nanismo denominada Síndrome de Silver-Rusell, resultou negativa, bem como outras formas de nanismo que também foram descartadas.- "Seu caso é extremamente inusual, nunca tinha visto nada parecido como isto em 17 anos que exerço a profissão de pediatra, realizamos uma infinidade de testes, mas para ser sincero, não temos a menor ideia de como resolver este mistério que se baseia em que a menina não quer crescer", disse o Dr. Jide Menakaya.
O Dr. Ian Holzman, chefe da Divisão do Recém Nascidos no Hospital Monte Sinai de Nova York, apontou uma possível solução ao enigma, ainda que acredite ser tão simples que imagina que os médicos britânicos já tenham pensado nisso.
Ao que parece, Holzman teve um caso similar há alguns anos com um menino que não crescia e que pensaram que se devia a uma má nutrição. Uma investigação mais a fundo revelou que o problema era devido a uma condição conhecida como enteropatia do gluten (doença celíaca), e que foi resolvido simplesmente com a mudança da dieta da criança.Mas a verdade é que as causas para um lento processo de crescimento nos lactantes é tão diverso que achar as causas só podem ser determinadas com testes.A mãe de Suraya mostra-se ademais muito preocupada porque o pequeno tamanho e o reduzido peso não são os únicos problemas da menina. Segundo Ruzman, a menina começou a ter pequenas convulsões e baixas taxas de açúcar conhecidas como hipoglicemia.A parte positiva desta história é que sua mãe afirma que Suraya, apesar de seu crescimento lento e do sofrimento por ter que fazer dezenas de testes médicos, permanece alegre e sempre sorrindo.
Fonte: mdig

Um comentário:

Nirtake disse...

Tadinha... se fudeu